sábado, 20 de maio de 2017

línguas


nossas línguas hão de se falar
tocando céu da boca e alvéolos
pela pronúncia das laterais líquidas
no diálogo dos dialetos

todas as prosas desejadas
quando prolongadas repousarão
adormecendo em seu leito

falaremos de vida e morte
sim e não, dentro e fora
do seu e do meu medo
nas curvas do pensamento

línguas interagindo acerca da vida
sobre onde já foram e vão
conhecendo-se de perto
sem palavra que as mova
ambas cúmplices de um mesmo fim
em recíproco motivo e movimento


sexta-feira, 19 de maio de 2017

dança


cronista de si o poeta é atento
enxerga o sereno antes dos outros
traduz semblantes em elogios caros
impossíveis de serem refeitos

livre, a musa é sempre distraída
e daí que brota parte de sua beleza
brilha porque reflete, foto de poesia
sem palavra que a prenda

ele e ela deviam se ver mais
se ouvir, talvez

poeta e musa:
espelhos dançando pela primeira vez

quarta-feira, 10 de maio de 2017

meta


vai, poeta
tenta aprender com a lua
passeia pela noite sem pressa
refletindo em órbita
brilha, guia e invoca

alta lua é quando brotam
as sementes da memória que ninguém molha
faz como ela: inspira sem imaginar
focando em sua parte

na arte de ser natural
seu mistério é sem disfarce

poeta, a lua é tua meta